Portal Xispe

Portal Xispe

Causas de dores na próstata

É comum ao se pensar em Próstata, logo lembrar do câncer de próstata ou aumento da próstata, porém, não só essas condições podem afetar a próstata e, também, a qualidade de vida, causando muita dor.

Então, um terceiro problema que também costuma causar dor e desconforto é a prostatite.

Pois é, a Prostatite chega a afetar um em cada seis homens, sendo o motivo de mais de dois milhões de visitas a médicos por ano.

O que é Prostatite

Prostatite é inflamação na próstata e, diferente do câncer e da hiperplasia benigna da próstata (HBP), que costumam afetar homens mais velhos, a prostatite pode afetar homens de qualquer idade.

A melhor coisa a fazer é se prevenir, ao notar qualquer sintoma abaixo, vale a pena começar alguma opção de tratamento natural como o uso do suplemento masculino renova prost ou outro semelhante.

Se mesmo fazendo isto os sintomas não melhorarem, dai é recomendado busca ajuda de um especialista para identificar a causa e indicar o melhor tratamento.

A prostatite, no entanto, pode ser classificada em quatro categorias, cada uma exigindo um tipo diferente de tratamento:

1. Infecção aguda da próstata

Ela aparece de repente,  causada por bactérias que viajam da uretra ou do reto até a próstata. Embora seja a forma menos comum, é a mais dramática de prostatite, começando de repente com febre alta, calafrios, dores articulares e musculares, fadiga profunda, dores  na base do pênis e atrás do escroto, dor na parte inferior das costas.

Conforme a próstata vai inchando vai ficando mais difícil urinar, e a corrente de urina pode ficar fraca e, dependendo da gravidade, pode ser  preciso uma hospitalização.

O tratamento costuma ser a base de antibióticos, sendo altamente eficazes para essa forma de prostatite e para aliviar as dores.

2. Prostatite bacteriana crônica

Também causado por bactérias, esse tipo de Prostatite é mais comum em homens mais velhos que têm HBP.

Diferentemente da forma aguda,  a prostatite bacteriana crônica é uma infecção leve e de baixo grau mas que pode persistir por semanas ou mesmo meses.

Embora, geralmente, não cause febre, são observados problemas como  uma vontade súbita de urinar, micção frequente, dor ao urinar, dores na próstata ou a necessidade de urinar à noite.

Foram relatados sintomas como dor lombar, dor no reto ou sensação de peso atrás do escroto, dor após a ejaculação e pode aparecer sangue no sêmen.

Esse tipo de Prostatite pode ser tratado com antibióticos, geralmente por um a três meses, mesmo assim, com a possibilidade da infecção se repetir.

3. Prostatite não bacteriana crônica

A prostatite crônica não bacteriana é também chamada de síndrome da dor pélvica crônica, sendo entre todas, a forma mais comum de prostatite.

Embora os sintomas sejam os mesmos da prostatite bacteriana crônica,  nenhuma bactéria é evidente, por isso, descobrir a causa é bem mais complicado.

Alguns estudiosos consideram que a prostatite crônica não bacteriana surja como resultado de condições interconectadas, podendo ser estresse, um agente infeccioso indetectável, algum trauma físico ou lesão na área geniturinária.

Por todo esse mistério ainda em torno desse tipo de Prostatite, o tratamento pode exigir vários tipos de medicação ou alguma terapia, dependendo dos tipos de sintomas.

4. Prostatite inflamatória assintomática

Esse tipo de Prostatite, geralmente, é detectado ao se fazer testes para outras condições, como infertilidade ou distúrbios da próstata.

Vale saber que esse tipo não apresenta sintomas, embora tenha a presença de glóbulos brancos na urina ou nas secreções da próstata. Assim, com a ausência de sintomas e com causa conhecida, esse tipo de Prostatite não costuma ser tratado.

Pecados que podem comprometer a beleza e saúde dos cabelos

Quem ama cabelos sabe que alguns pecados podem comprometer (totalmente) a saúde e beleza dos cabelos… mas, existem alguns pecadinhos que muita gente nem imagina como podem pesar quando o assunto é saúde e beleza. Confira quais são os pecadinhos mais comuns:

Passar condicionador na raiz

Alguns cabelos possuem a raiz muito oleosa, e o condicionador aumenta ainda mais a produção de sebo, podendo ainda contribuir para o surgimento da caspa, já que o condicionador irá fazer o couro cabeludo ficar com excesso de umidade, tampando os poros capilares.

Deixar o condicionador no cabelo

Não enxaguar corretamente os fios, deixando resquícios de condicionador, vai danificar a estrutura capilar e impedir que as escamas sejam seladas, o resultado são fios elásticos e quebradiços.

Então cuidado com isto e se seus cabelos já estão fracos, Hair Power funciona para fortalecer os fios novamente, fica a dica 😉

Não hidratar

Devido ao grande uso de produtos químicos (tinturas, alisamentos, relaxamento, entre outros), os cabelos tendem a ficar danificados. A função da hidratação é reverter isso.

Usar água quente

A água muito quente pode causar irritações no couro cabeludo, estimulando a produção de sebo e favorecendo a oleosidade, podendo inibir, também, o crescimento dos fios.

Não preparar os fios para os efeitos do sol

Para tomar sol, é preciso preparar os fios, passando um creme sem enxágue com proteção solar. E nada mais. Nenhuma máscara solar, por exemplo, irá proteger o cabelo.

Prender os cabelos molhados

Manter o couro cabeludo molhado por muito tempo irá criar um ambiente ideal para a proliferação de fungos, além de facilitar o surgimento da caspa, enfraquecimento da raiz e queda.

Chapinha nos fios molhados

Pode se considerar um crime contra os fios que serão profundamente agredidos, além de queimados, eles se quebrarão, a única salvação será cortá-los. Por isso, antes de usar a prancha, seque bem os cabelos. E atenção, nem úmidos eles podem estar.

Secador usado errado

Se for usar, mantê-lo a 30 centímetros de distância da cabeça e sempre com a temperatura intermediária ou fria, nunca na máxima, para não queimar e danificar os fios.

Meses sem cortar

Se seu cabelo não for do tipo que demore muito para crescer, é preciso cortá-lo de três em três meses, no máximo, pois após esse período, as pontas já começam a abrir e quebrar.

Usar escova inadequada

Se engana quem pensa que cerdas moles são mais fáceis de usar, na verdade, seu manuseio é mais difícil, além de quebrarem os fios. A dica é usar um pente com dentes bem largos e firmes ou uma escova mais resistente.

Fazer muitas químicas

Um erro muito comum hoje em dia é apostar em vários tratamentos ao mesmo tempo, muito por conta, as vezes, de promoções “imperdíveis”. Seja relaxamento, coloração, progressiva, luzes, se forem realizados juntos, vão deixar os fios porosos e mais fracos, arrebentando todas as pontas. Por isso, a dica é optar por dois tratamentos, no máximo, e investir em hidratações mensais.

Ter cabelos crespos e não usar leave-in

Um erro muito comum é achar que ao aderir um visual mais natural, irá estar ajudando a saúde dos fios. Na verdade, para conseguir cachos bonitos, é preciso apostar em um bom xampu, condicionador e cremes leave-in. Dessa forma irá facilitar que a oleosidade natural da raiz chegue às pontas, o que as curvas dos cachos não permitem sem os devidos produtos.

4 Plantas para diminuir a má digestão

Você sofre de dispepsia? As plantas medicinais reduzem a irritação do sistema digestivo causada por nervos ou comida.

ma em cada cinco pessoas sofre regularmente de  digestão pesada, que também é tecnicamente conhecida como dispepsia. Às vezes, a digestão pesada é acompanhada de sintomas como dor de estômago, gases, arrotos ou cansaço, que podem durar mais ou menos tempo e consumir muita energia.

As  causas da digestão pesada  podem ser diversas: de distúrbios como azia ou constipação a maus hábitos, como engolir ar ao comer ou consumir alimentos irritantes ou alergênicos, álcool ou bebidas açucaradas e carbonatadas. Por trás de digestões pesadas, também pode haver um fator de estresse, irritabilidade, ansiedade …

SUAVIZAR A MÁ DIGESTÃO

fitoterapia tem inúmeras plantas digestivas que podem ajudar o corpo a digerir melhor e desconforto evitar.

Outra boa maneira de  promover a digestão pacífica é adicionar temperos às receitas. Destaca-se o gengibre , com um agradável sabor fresco e picante. A canela também é um tempero eficaz , muito útil para acalmar espasmos gastrointestinais, gases e digestão lenta, e o cominho aromático , que você pode usar como tempero ou mastigar as sementes depois de comer.

Boldo para estimular a digestão

O boldo é um grande aliado para evitar a má digestão . Esta planta de origem chilena (com o nome científico Peumus boldus) contém um óleo essencial, flavonóides e taninos que esvaziam e estimulam o trato digestivo e promovem as funções do fígado e da vesícula biliar.

Também é sedativo , sendo eficaz quando a dispepsia envolve os nervos.

A infusão de boldo , agradável ao paladar, tomada em dois copos por dia, substituindo chá ou café. Evite se estiver grávida ou planeja engravidar em breve, devido ao seu conteúdo alcalóide.

Manjerona para acalmar os nervos

A manjerona ( Origanum Majorana ) reúne as virtudes necessárias para aliviar a dispepsia nervosa. É sedativo, combate gases e ajuda a digerir confortavelmente os alimentos. Também possui propriedades calmantes, é antiespasmódico e protege a mucosa digestiva.

Pode ser tomado como extrato líquido ou como infusão , isoladamente ou em combinação com outras ervas digestivas, como o limão ( Tilia platyphyllos ). Podemos infundir os topos floridos da planta e tomar um copo após as refeições para evitar desconforto.

O óleo essencial de manjerona é sedativo, anti-inflamatório e antiespasmódico.

Hortelã, frescura do analgésico

Outra opção para a mistura é a hortelã ( Mentha x piperita ), que combate a dor de cabeça associada, se ocorrer.

A hortelã-pimenta é muito útil contra digestões complicadas devido ao seu efeito analgésico e seu poder estimulante nos sucos biliares.

Usamos suas folhas secas ou frescas e podemos tomá-lo como infusão, até 3 copos por dia;  em extrato líquido; na tintura ou em cápsulas.

Gengibre para digerir melhor

Essa raiz estimula nossas enzimas digestivas e é muito fresca e saborosa.

Para tirar proveito de seus benefícios digestivos, podemos infundir 3 g de gengibre em pó ou 10 g de raiz fresca em água e tomar a mistura duas vezes por dia.

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén